Início             Serviços             Contato             Artigos             Links
 

VACINAÇÃO

Reações vacinais em Weimaraners
 

O texto transcrito abaixo foi fielmente traduzido do original, publicado pelo clube da raça dos Estados Unidos (WCA - Weimaraner Club of America), sendo de grande valor informativo principalmente para veterinários sem familiaridade com tal particularidade da raça. Uma vez que o texto reflete a realidade nos Estados Unidos, devemos levar em consideração alguns detalhes: no Brasil não temos as mesmas opções de vacinas combinadas, assim como não temos vacina contra Lyme (citada no texto), mas todo veterinário pode (e deve) elaborar um protocolo vacinal diferenciado e sem excessos para o seu cão, seja ele Weimaraner ou não. Leia mais sobre o tema AQUI.

~ ~ ~ ~ ~

Política do WCA sobre a vacinação de Weimaraners - Atualizado em 2011

Reações vacinais em Weimaraners
Problemas imune mediados
Aprovado pela diretoria do Weimaraner Club of America, 9 de fevereiro de 2011.

Uma pequena porcentagem de filhotes de Weimaraner manifestam uma reação autoimune após a vacinação. Quando o sistema imunológico de indivíduos suscetíveis é desafiado pelos múltiplos antígenos encontrados em vacinas combinadas, torna-se hiper-reativa e responde da mesma forma como ele iria responder ao lutar contra uma infecção: febre, elevados glóbulos brancos e reação inflamatória dos tecidos e articulações.

Embora muitos filhotes podem ser vacinados sem reações adversas, não há nenhuma maneira, no momento presente, para determinar quais filhotes podem reagir. Embora controverso, algumas pesquisas sugerem que a fração de Cinomose das vacinas combinadas podem apresentar maior risco de problemas imune mediados. Nota-se que as vacinas de DNA recombinante disponíveis para Cinomose demonstraram significante menor incidência de reações, e irão proporcionar proteção satisfatória se a última dose for administrada quando o filhote tiver 12 semanas de idade ou mais. Pesquisas anteriores já documentaram que a maioria das reações vacinais ocorrem entre 12 e 16 semanas de idade.

Em um esforço para reduzir a incidência de graves reações vacinais, uma alternativa para o protocolo de vacinação tradicional pode ser considerado, no qual o nível máximo de proteção é conseguida com o mínimo número de vacinas.

Em vista disso, o Comite de Saúde do Weimaraner Club of America recomenda o seguinte esquema vacinal:

8 semanas: Cinomose, Adenovírus tipo 2, Parainfluenza, Parvovirose
12 semanas: Cinomose, Adenovírus tipo 2, Parainfluenza, Parvovirose
15-16 semanas: Uma titulação de anticorpos é recomendada para confirmar a imunidade, já que uma pequena proporção de filhotes podem não estar protegidos.

Filhotes que não apresentem evidências de produção de anticorpos na titulação, devem ser reinoculados (revacinados).

O uso de vacinas para Coronavirose, Leptospirose, Bordetella e Lyme não são recomendadas a menos que estas doenças sejam de prevalência na área onde o cão vive, e não deveriam nunca ser administradas juntamente com as vacinas obrigatórias listadas acima, mas sim separadamente, e quando o sistema imune do filhote estiver maduro. Vacinação anti-rábica deve ser dada conforme exigido por lei, mas não junto com outras vacinas. Se possível, espere que o filhote esteja mais velho do que 16 semanas de idade.

Se ocorrer uma resposta imunológica adversa grave, a administração de mais vacinas antes de um ano de idade não é recomendada. As opções devem ser discutidas com o seu veterinário. Nos EUA, alguns estados oferecem isenções para a vacinação contra Raiva nos casos em que uma condição médica subjacente possa resultar em uma condição com risco de vida, em resposta a vacinação. (no Brasil não existe legislação a respeito, mas a titulação de anticorpos pode ser uma opção)

Embora este protocolo auxilie na prevenção de reações, ele não as previne em todos os indivíduos suscetíveis.

Qualquer dúvida em relação a este protocolo pode ser enviada para: wcahealth@gmail.com

As recomendações expressas são as do WCA e Comitê de Saúde do WCA. Estas recomendações não são um substituto para a recomendação profissional veterinária, diagnóstico ou tratamento. O WCA reconhece que as decisões sobre os cuidados veterinários são assuntos privados, que devem permanecer sob a alçada de cada proprietário do cão e veterinário. É da responsabilidade e mandato ético de todos os membros do WCA, garantir que seus cães recebem adequada e oportuna assistência veterinária.
 

Texto original (em inglês):
http://weimaranerclubofamerica.org/main/index.php?option=com_content&view=article&id=50&Itemid=151&lang=en

 

Dra. Kathleen Schwab - Telefone e WhatsApp: (11) 9-7992-7925 - E-mail: vetkath@gmail.com

www.kathvet.com.br © 2013-2016
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS